Cuidados com a qualidade dos alimentos na CEIA

Bruna Souza Colunistas Últimas notícias

Pensando no retorno as atividades da coluna, após alguns meses focando em grandes objetivos traçados por mim, me veio p pensamento acolhedor das festas de final de ano e tive a liberdade de convidar uma grande amiga e colega de profissão Ludimila dos Santos Antonio, para escrever sobre os cuidados necessários com a qualidade dos alimentos neste período de festas.

Aproveitem a leitura que está sensacional e um maravilhoso 2019 para todos que acompanham a coluna… VIDA ME SURPREENDA!!!

 

“A tradicional ceia de Natal e Ano Novo ainda é a refeição mais importante do ano em muitos lares brasileiros, é o momento de reunir a família e os amigos ao redor da mesa para celebrar, sendo que esta celebração envolve sempre o preparo de cardápios especiais escolhidos com carinho. Porém, para não estragar todo esse encanto, próprio da data, com a presença de uma contaminação bacteriana e intoxicação alimentar, é necessário planejar a escolha dos itens que vão para a mesa nessas datas festivas e cuidar para que esses alimentos sejam acondicionados ou manipulados, com a atenção necessária para evitar fontes de doenças veiculadas pelos alimentos.

A grande diversidade e os cuidados inadequados de alimentos presentes nas festas de final de ano, associados ao excesso na alimentação, comum da época, podem causar problemas digestivos, intoxicações, infecções, assim como, Doenças Veiculadas por Alimentos (DVAs), que possuem como principais sintomas, vômito, diarreia, dor abdominal e náuseas. Sendo assim, para assegurar que tudo ocorra bem com os pratos servidos nas ceias de Natal e Ano Novo e garantir que nenhum familiar ou amigo passe por isso em datas tão importantes, é crucial estar atento a orientações que podem evitar a contaminação dos alimentos e este tipo de ocorrência.

Alguns cuidados na hora da compra dos alimentos podem evitar minimizar e evitar muitos dissabores, por exemplo, alimentos muito gordurosos não possuem boa relação com o Verão, sendo assim, a escolha por receitas com vegetais e frutas da estação para os pratos de fim de ano são muito bem-vinda, devendo-se evitar, sempre que possível, carnes muito gordas, toucinho e cremes gordurosos.

É essencial conferir os rótulos e estar atento ao prazo de validade, temperatura de conservação adequada e a produtos em promoção: é comum a validade estar próxima ao vencimento. Além disso, nunca se deve comprar produtos com embalagem estufada, rasgada ou danificada, pois a qualidade pode estar comprometida, já nos alimentos sem embalagem deve-se conferir se estão protegidos de insetos e poeira.

Vale lembrar na hora da compra que carnes e peixes devem ser mantidos refrigerados, possuírem selo de inspeção, cor e cheiro próprios, sendo importante ficar atendo quanto características dos alimentos e, em caso de alteração, não os comprar. Ressaltando que alimentos congelados e resfriados devem ser os últimos a serem colocados no carrinho de compras, para que se mantenham por mais tempo a temperatura correta.

É sempre comum a organização para cada familiar ou amigo leve um prato para a ceia, porém geralmente essa organização resulta em uma quantidade exagerada de comida e, consequentemente, além de todas as pessoas acabarem comendo demais para experimentar de tudo um pouco, isso gera mais sobras e menos espaço na geladeira, devido a sobrecarga do refrigerador com alimentos, sendo assim o ar frio não circula com eficiência entre os recipientes com as sobras da ceia, podendo alterar qualidade dos mesmos. Por outro lado, é quase uma tradição deixar as sobras da ceia da noite para o dia seguinte sem colocar na geladeira ou armazenar adequadamente, não considerando que é a época mais quente do ano, dando ‘prato cheio’ para proliferação de bactérias.

Uma solução para evitar uma quantidade excessiva de comida, é fazer uma lista e balancear os tipos de alimentos, redobrando a atenção durante o preparo e acondicionamento dos produtos.

A falta de higienização adequada das mãos, dos utensílios de armazenamento e superfícies da comida são fatores que podem levar a contaminação de um alimento e, além disso, a umidade do ar, presença de animais domésticos, lixo e a água utilizada no preparo também podem contribuir para uma possível contaminação. Sendo assim, é indispensável os cuidados básicos de higiene na cozinha, como lavar sempre bem as mãos para manipular os alimentos e repetir a operação durante o preparo.

Tradicionalmente a ceia é servida à meia noite, porém, muitas das vezes, os pratos são expostos sobre a mesa muito antes disso, alterando características dos alimentos e favorecendo sua contaminação, sendo assim, é sempre aconselhável não os expor com muita antecedência, quanto mais tempo o alimento estiver na temperatura ambiente, maior será o risco de contaminação. O ideal é que as refeições permaneçam, no máximo, duas horas fora de refrigeração.

Aliás, um dos principais cuidados é com a temperatura dos alimentos, estes devem estar aquecidos a uma temperatura de 70 ºC ou dentro de geladeira, dessa forma, os alimentos que necessitam de refrigeração, como bolos e sobremesas, devem estar dentro de refrigeradores até o momento do consumo e serem guardados imediatamente após este, o mesmo é valido para as sobras de comida em cima de fogões ou dentro de fornos desligados, estas devem ser guardadas o mais rápido possível sob refrigeração, já os demais alimentos, que não necessitarem de refrigeração, podem ser armazenados com boa vedação e embalagens de vidro, de preferênia.

Outra dica, é manter os alimentos sempre cobertos e não utilizar o mesmo talher para servir diferentes pratos. Destaca-se as preparações à base de ovos, como maioneses, rabanadas, doces de ovos, cremes, farofas, elas merecem atenção especial e também não podem permanecer fora de refrigeração por período prolongado.

A qualidade sanitária dos alimentos é uma condição essencial para a promoção e manutenção da saúde e é assegurada pela adoção de medidas preventivas e de controle em toda a cadeia produtiva, da origem até o consumo do alimento pronto. As refeições de final de ano, como a ceia de Natal, são preparadas com ingredientes que nem sempre são utilizados em outras épocas do ano e por este motivo necessitam de cuidados redobrados.

Seguindo à risca todas orientações, é possível garantir que a única ocorrência alimentar ‘preocupante’ deste Natal seja aquela prima reclamando da presença da uva passa em todos os pratos da ceia!

 

Ludimila dos Santos Antônio

Graduada em Medicina Veternária

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *