Vendas de sêmen crescem 14,2% no Brasil e Senepol está entre as mais procuradas

Pecuária Últimas notícias

O mercado de genética bovina vem confirmando a estimativa de crescimento para 2018. O primeiro semestre do ano fechou com 9% de aumento nas vendas gerais de sêmen, em comparação ao mesmo período de 2017. A Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA), entidade da qual a ABCB Senepol é associada, divulgou nesta quarta-feira (26/09), o balanço das vendas e produção de sêmen. Foram comercializadas 5.106.718 doses contra as 4.685.507 doses do mesmo período do ano anterior.

A maior elevação foi registrada nas raças de corte, com 2.937.480 doses vendidas, aumento de 14,2%. “Já prevíamos um aquecimento do mercado em 2018, mas, no corte, ficou acima do esperado. Como no corte as maiores vendas são registradas nos meses que antecedem a estação de monta, entre agosto e outubro, esperamos fechar o ano acima do acanhado crescimento de 0,6% registrado em 2017”, avalia o presidente da ASBIA, Sérgio Saud. Segundo ele, a greve dos caminhoneiros prejudicou as vendas de sêmen no mês de maio. Assim como as vendas cresceram, a produção também fechou bem o primeiro semestre de 2018. No corte, foram produzidas 2.984.130 doses contra 2.449.932 no mesmo período de 2017.

Foram exportadas 55.964 doses de raças de corte no primeiro semestre de 2018 contra 88.545 do mesmo período de 2017. Já as importações foram de 963.674 doses em 2018 contra as 1.333.266 do mesmo período de 2017. Segundo Saud, a queda nas exportações foi provocada por problemas relacionados aos protocolos sanitários entre o Ministério da Agricultura do Brasil e de outros países. As importações foram prejudicadas por problemas burocráticos, como a falta de fiscais do MAPA para liberar a entrada de sêmen no País.

Os dados do balanço da ASBIA mostraram o comportamento geral do mercado de sêmen no primeiro semestre de 2018, não especificando quanto cada raça vendeu, mas a entidade divulgou em seu relatório os dados por raças de 2017. A Senepol vendeu 90.610 doses, figurando entre as seis maiores vendedoras de sêmen das raças de corte.

 

Melhora índice de prenhez

Touro_Vacada

Se o caminho para produzir uma carne de qualidade é longo e repleto de desafios, o pontapé inicial para essa jornada precisa ser estrategicamente calculado para ser certeiro. Uma estação de monta mal planejada pode comprometer os resultados produtivos e econômicos. Dentro desse cenário, os touros são peça importante. Segundo dados da Embrapa Gado de Corte, o reprodutor proporciona 88% do ganho genético de todo o rebanho para relações touro:vaca de 1:40. Por isso, a escolha dos animais deve ser bastante criteriosa para garantir o sucesso do sistema de produção. “O pecuarista deve procurar um animal comprovadamente melhorador, e esquecer de vez o chamado boi cabeceira de boiada, que nada acrescenta em termos de melhoramento genético do rebanho”, explica o técnico da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Senepol (ABCB Senepol), Rafael Pacheco.

A facilidade do touro Senepol de cobrir a vacada a campo mesmo em regiões de calor extremo, como ocorre em grande parte do país, é considerado um dos diferenciais da raça. Além da rusticidade, outro diferencial da raça é a alta libido. “Os touros Senepol cobrem uma média maior de vacas e são ativos por até 10 anos. O índice de prenhez da vacada com touro Senepol é superior a 90%”, assegura o presidente da entidade Pedro Crosara. Outro importante diferencial de quem usa touro Senepol em cruzamento industrial é o alcance de 100% de heterose a campo. Isso tem garantido maior rentabilidade aos pecuaristas que utilizam touros Senepol em cruzamento industrial. Conforme comprovou pesquisa da Scot Consultoria, 73,2% dos pecuaristas entrevistados relataram receber bonificação espontânea dos frigoríficos pelos animais meio-sangue Senepol. O levantamento ainda apontou que esses animais são desmamados com pelo menos uma arroba a mais que outras raças e atingem ponto de abate quatro meses mais cedo. “Ou seja, maior produtividade, resistência e precocidade”, destaca o presidente.

O técnico da ABCB Senepol lembra ainda que a recomendação é utilizar apenas touros Senepol com Registro Genealógico Definitivo (RGD). “Para usar em cruzamento, o touro registrado é uma garantia de qualidade, pois você sabe que ele passou por uma inspeção de seleção morfológica, em que são descartados os exemplares com defeitos indesejáveis, sendo muitos deles prejudiciais ao bom desempenho de cobertura, tais como umbigo (umbigudo, agarrado) e aprumos. O touro com RGD traz consigo a garantia do que vai ser transmitido à sua progênie: precocidade, adaptabilidade, fertilidade na fêmea, docilidade”, explica Rafael Pacheco.

Momento Criador | Foto Senepol da San

 

Fonte: ABCB Senepol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *