Bactérias conseguem controlar fungos do solo

Geral Últimas notícias

Um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Tecnologia Aplicada da Argentina (INTA) conseguiu, com sucesso, implementar bactérias que controlam os fungos presentes no solo. De acordo com Daniel Ducasse, Coordenador do Programa Nacional de Proteção Fitossanitária do INTA, a descoberta vai ser benéfica principalmente para culturas de raízes, como as cebolas, já que essas bactérias estão presentes na rizosfera.

“Esses organismos são caracterizados por favorecer o crescimento de plantas e aumentar sua capacidade de defesa contra patógenos, seja exercendo controle direto sobre eles através de uma ação antibiótica, seja induzindo mecanismos de defesa sistêmicos em plantas hospedeiras”, explica.

Além disso, ele alegou que essa é uma alternativa eficaz às práticas convencionais de controle que incluem rotações de culturas, o uso de variedades de cebola resistentes, por exemplo, e até mesmo a aplicação de agroquímicos no solo. Segundo o especialista, enquanto esta última é contraindicada devido à sua baixa eficiência e alto impacto ambiental, as variedades resistentes disponíveis em outras regiões do mundo não apresentam bom desempenho na Argentina.

Mesmo com a cebola sendo a cultura mais beneficiada com a descoberta, Ducasse disse que essas bactérias podem ser utilizadas também com olivas e algodão. “No caso da oliveira, recolhemos mais de 1500 bactérias isoladas do solo, dos quais 200 foram selecionados como potenciais agentes de biocontrole de V. Dahliae”, comenta.

No cultivo de algodão, os cientistas trabalham para obter bactérias PGPR, nativas da Argentina, que podem inibir agentes patogénicos do solo incluindo mais complexos como Verticillium dahliae e Pythium e Rhizoctonia , fungos responsável pela podridão em sementes e mudas para o campo.

Fonte: Agrolink

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *