Produção de camarão despenca em 2017; as de ovos e mel crescem, segundo IBGE

Economia Últimas notícias

A produção de camarão despencou mais de 20% em 2017, divulgou nesta quinta-feira (27) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi maior queda entre os itens de origem animal.

Já a produção de leite, que é a de maior volume no setor, ficou praticamente estável (-0,5%), enquanto a de ovos, segunda mais relevante nesse quesito, cresceu 11%. Veja por segmento:

Frutos do mar e peixes

Foram produzidas no ano passado 41 mil toneladas de camarão, 21,4% menos que em 2016. Dessas, 40,5 mil toneladas vieram da região Nordeste (98,8%). Os principais estados produtores foram Rio Grande do Norte, que respondeu por 37,7% do total, e Ceará, com 28,9%.

A queda acentuada na produção se deu porque a cultura de ambos os estados foi afetada por uma doença causa pelo chamado “vírus da mancha branca”, que dificulta o manejo e provoca perdas. A cidade brasileira que mais produziu camarão em 2017 foi Aracati, no Ceará.

Já a produção de ostras, vieiras e mexilhões foi de 20,9 mil toneladas em 2017, alta de 0,5% em um ano. Sozinho, o estado de Santa Catarina respondeu por 98,1% do total e a cidade que mais produziu foi Palhoça.

A chamada despesca (abate) de peixes totalizou 485,2 mil toneladas no ano, redução de 2,6% ante 2016. O estado do Paraná, na região Sul, passou a ser o maior produtor do país, desbancando a região Norte. O município com a maior produção foi Nova Aurora, PR. O peixe mais cultivado no Brasil é a tilápia, que responde por 58,4% do total, seguido pelo tambaqui (18,2%).

É importante destacar que a pesquisa Produção da Pecuária Municipal só considera o cultivo de peixes e frutos do mar. Produtos da pesca (extrativismo) não entram.

Mel

Foram produzidas 41,6 mil toneladas de mel em 2017, aumento de 5% em relação a 2016. O valor da produção chegou a R$ 513,9 milhões. A principal região produtora do país é a Sul, que responde por 39,7% do total, com destaque para o Rio Grande do Sul, estado líder, com 15,2%. O mel é produzido em 3,8 mil cidades brasileiras.

Leite

A produção de leite no ano somou 33,5 bilhões de litros, retração de 0,5% em relação a 2016. O valor de produção gerado na atividade foi de R$ 37,1 bilhões. A região Sul é a líder e responde por 35,7% do total produzido, apesar de a região Sudeste concentrar a maior quantidade de vacas leiteiras (30,4% do total de 17,1 milhões de cabeças). O estado que mais produz é Minas Gerais, com 8,9 milhões de litros, mas a capital do leite é Castro, no Paraná.

Ovos

Em 2017, foram produzidas 4,2 bilhões de dúzias de ovos de galinha, 11,6% mais que em 2016. O rendimento foi de R$ 13,5 bilhões. A região Sudeste lidera a produção (com 44,8%) do total, sendo 26,4% vindos do estado de São Paulo. O munício que mais produziu em 2017, porém, foi Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, que desbancou a cidade paulista de Bastos. Também foram produzidas em 2017 290,8 milhões de dúzias de ovos de codorna no país.

Animais vivos

Em 31 de dezembro de 2017, o país tinha 1,4 bilhão de galináceos (galinhas, frangos e pintinhos) vivos – sendo 242,8 milhões de cabeças destinadas à postura de ovos. A maior parte deles (47,1%) se concentrava na região Sul. As codornas somavam 15,5 milhões de cabeças. O Brasil é o segundo maior produtor e o maior exportador de carne de frango do mundo. A produção de carne e o abate de animaisnão são medidos na pesquisa.

Já o rebanho bovino totalizava 214,9 milhões de cabeças no fim do ano passado, uma redução de 1,5% em comparação a 2016. A redução se deu em função do abate de vacas reprodutoras, por conta da queda no preço do bezerro, da demanda interna reduzida por conta da crise e de problemas como a Operação Carne Fraca e os embargos temporáriosda importação de carne brasileira por uma série de países, segundo o IBGE.

O Brasil tem o segundo maior rebanho de bois do mundo, atrás apenas da Índia. A região Centro-Oeste é a maior produtora e responde por 34,5% do total, com liderança do Estado do Mato Grosso (13,8% do total). A cidade com o maior rebanho, porém, é são Félix do Xingu, no Pará.

O rebanho suíno somava 41,1 milhões de cabeças em 31 de dezembro de 2017, alta de 3% em relação ao ano anterior. Dessas, 4,7 milhões correspondem a porcas usadas para reprodução. A região Sul concentra o maior efetivo, com Santa Catarina liderando o ranking, com 19,7% do total nacional. Já o principal município produtor é Toledo, no Paraná.

Os caprinos (cabritos e bodes) somavam 9,6 milhões de cabeças no fim do ano, enquanto os ovinos (ovelhas) totalizavam 18 milhões. A região Nordeste abrigou 93,2% do rebanho de caprinos e 64,2% do rebanho de ovinos, sendo o estado da Bahia e a cidade baiana de Casa Nova líder nas duas criações.

Já a atividade de tosquia de ovelhas por sua vez, é predominante na Região Sul, responsável por 99% das 9,4 toneladas de lã produzidas em 2017. O Rio Grande do Sul foi o estado com maior participação nacional e representou 94,1% do total. O município de Santana do Livramento é líder no setor.

Já os casulos de bicho-da-seda produziram 3 milhões de quilos em 2017.

Fonte: G1

Foto: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *