Dia de Circo

Durante um pedaço da minha vida eu morei em Itarumã, uma cidadezinha no interior de Goiás. Itarumã fica entre duas serras. De um lado fica a Serra da Mombuca. Do outro, a Serra da Pimenta. No meio das duas, Itarumã. E bem no meio de Itarumã, durante um mês inteirinho, ficou o Circo Montreal.

Era um circo pequeno, mas para a molecada da rua que tinha pouco mais de um metro de altura, aquela lona colorida era o máximo!
E o terreno onde o circo foi armado ficava bem em frente à minha casa. Então eu vi o mesmo espetáculo tantas vezes que já sabia de cor a hora que o sujeito das facas ia errar, jogar a faca para trás e arrancar um “óóóóó” do respeitável público.

E mesmo sabendo o que ia acontecer, a gente corria para a matinê contando as moedas para comprar algodão doce e pipoca. E todas às vezes eu prendia a respiração, torcendo para o atirador de facas não machucar a mocinha.

Aí outro dia eu ao circo de novo. Só que desta vez um circo grande, com um nome esquisito. Moço… Foi tanta cor, som e movimento acontecendo ao mesmo tempo, que a gente só lembrou que aquilo tudo era faz de conta quando os artistas voltaram para o picadeiro – sem máscaras – para agradecer os aplausos. Foi realmente muito bonito e para a gente, que ficou ali espiando tudo de boca aberta, parecia até fácil voar de um lado para o outro.

E aí, comentando isso com um amigo, ele disse: a gente até parece de circo… Voar, a gente não voa não! Mas é bem verdade que a gente anda fazendo de tudo pra conseguir um aplauso. E aí faz contorcionismo para dar conta do dia, dribla o leão, faz mágica para as contas fecharem e inventa uma piada mesmo sem achar lá muita graça para continuar em frente.

Vou contar uma coisa prá você: até hoje eu torço para o atirador de facas não machucar a mocinha. E eu sei que no final vai dar tudo certo. Mas até ele acertar o alvo… Só mesmo prendendo a respiração. E aí, enquanto isso, de um lado fica o que a gente sente. Do outro o que a gente mostra. E bem no meio fica o coração, apertado que só…

 

Flaviana Ribeiro

Deixe uma resposta